História

HISTÓRIA DO MUNICÍPIO E DA CIDADE

Como é do conhecimento geral, Angola durante 500 anos esteve sob jugo colonial Português. Durante esse período, as culturas dos povos dominados foram humilhadas e inferiorizadas, chegando mesmo à ponto de criar-se por parte de alguns nativos que estavam mais em contacto com o estrangeiro colonizador, um sentimento de rejeição dos seus próprios valores sócio-culturais.

A Cultura Nacional é o resultado de um processo dialéctico no qual se sintetizam e encontram na sua vida de expressão orgânica as distintas manifestações criadas do povo ao longo da evolução histórica, social e económica. Cada território tem uma característica cultural própria, resultante da história. Por isso, não se pode pensar num desenvolvimento cultural nacional, sem a participação das amplas massas com suas determinações e manifestações culturais, muitas delas transmitidas durante gerações de pais para filhos por via oral, com a qual se mantém vivas as nossas tradições.

Até hoje, muitos autores se têm dedicado a historiografia do Município do Amboim, retratando o largo período que vai da época de descoberta, pelo açoriano ERNESTO DA SILVA MELO e o metropolitano ANTÓNIO DE FREITAS MELO.

Porém, merece uma reflexão de maior silêncio os acontecimentos por parte dos séculos, que foram deixados na penumbra dos velhos papéis.

Sobre eles, paira uma nebulosa incerteza ou mesmo um completo desconhecimento.

Acima de tudo, não é difícil reconhecer no território do Amboim a existência de diferentes culturas de expressão etnolinguística bem diferentes que se traduzem num património específico de cada umadelas além de compartilharem outros mais vastos comuns ao seu todo e do seu posicionamento, enquanto parte integrante do patrimônio cultural da humanidade.

Por isso, julga-se que nesta brochura não está contida a história toda do Município do Amboim, porque muita coisa que podia ser útil, ficou perdida no silêncio dos tempos passados.

SOBRE A CIDADE DA GABELA

A cidade da Gabela está situadano município do Amboim,Província do Cuanza Sul, aNordeste da sede capital daProvíncia (Sumbe) e osparalelos10.15´de lactitude Sul e14.22´ longitude Este, a umaaltitude de 1054 metros do níveldo mar.Esta cidade é atravessada pelo âmago pelo rioMazungue,”ostenta uma vegetação luxuriante,composta de árvores de porte colossalestreitamente ligadas por uma inextrincávelrede de trepadeiras, formando um enorme dossel
de verdura sobre o qual se desenvolvem em útilpromiscuidade osmais variados produtos desdeo café, mandioca e cana sacarina da zonatórrida até ao milho, feijão, laranja dos climastemperados”. (cit.Delgado; 1944:544) sendoestes factores climáticos que terãocertamenteimpelidos os portugueses para a Gabela.

Origem do nome Gabela

Segundo a história, o nome GABELA, derivou de uma senhora já velha, chamada “N´GUEBELA”, que fora encontrada nesta localidade pelos colonialistas portugueses. Para atingir Gabela, os colonialistas encontraram muitos obstáculos, tendo os dois primeiros o Açoriano- Ernesto da Silva Melo e o Metropolitano- António de Couto e Melo, atingida uma elevação de cerca de 1.200 metros de altitude, o ponto mais alto da Capiruma localidade que dista 30 Kms à Norte da Gabela, onde se fixaram nos anos de 1898/1899.

Em 1902, quanto as tropas coloniais pretendiam ocupar a região do Amboim, foi Ernesto da Silva Melo, que indicou o sítio mais adequado para a construção de uma fortaleza. Afinal a curta duração teriam o posto de Capir, porque os indígenas instigados por outros potentados negros se rebelaram contra o sacránia Português em 1904, deixando de pagar impostos cuja participação não foi total, o que levou os sobas a assaltarem novamente o posto em 1907 e os portugueses viram-se no entanto obrigados a transferirem-se para outro local onde lhes oferecesse melhores possibilidades de defesa. Assim o fizeram marchando para o interior foram até “Ngolo” hoje Boa Entrada, onde foram novamente atacados e posteriormente escolheram o morro Catenguena(atual Cruzeiro) onde estava instalado o sobado de N´Guebela, que após negociações com o soba, fundaram a 28 de Setembro do mesmo ano “1907”, o posto militar de N´Guebela hasteando pela primeira vez a bandeira portuguesa no local onde está situado atualmente o jardim central defronte ao edifício da Câmara Municipal, sendo o Capitão António Trindade dos Santos-Comandante de praça. Esse local veio a chamar-se mais tarde e durante a era colonial “Passa Salazar”.

Daí em 1921, foi criada a circunscrição do Amboim, a qualfoi transformada em Capitania-Mor em 1913. Volvidos 4 anos, isso em setembro de 1917, foi criado o Distrito do Cuanza- Sul com sede no Amboim, nunca tendo no entanto, funcionado o Governo de tal na Gabela.

Em 1921 a capitania-mor se converteu em circunscrição civil, que em 1926 era subdividida nos postos de sede-Gabela, Ebo, Conde, Quilenda e Quirimbo.

Pelo Diploma legislativo nº 061 de 23 de Junho de 1934, foi o Amboim elevado a categoria de Vila. Assim sendo o conselho do Amboim passou a circunscrever sete postos sendo a sede Gabela, Assango, Conde, Cela, Quilenda e Quirimbo.

Em 1955 o referido Conselho foi dividido em dois, sendo o do Amboim e o da Cela. Dez anos mais tarde em 1965, houve novo desdobramento nos Conselhos do Amboim e da Quilenda, ficando o primeiro com os postos sede Gabela e Assango. Daí, a vila da Gabela começou a crescer e a ganhar vida, com a construção de mais edifícios, pois os primeiros a serem erguidos, são casas de adobes.

CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO POLÍTICA ADMINISTRATIVA

Em 1911, por portaria 832, de 1 de Agosto, o Amboim passou a Circunscrição Civil, com sede provisória na Manga (emancipando-sede Novo Redondo);Em 1914, por motivos de novas Revoltas foi criada a Capitania-Mor do Amboim com sede na Vila de Nguebela/Gabela;Em 1921, pelo Decreto 51, foram extintas as Capitanias-Mores para o regime de Administração Civil, passando o Amboim à categoria de Circunscrição Civil; Em 1934, pelo Decreto Lei 601, de 23 de Junho, a Circunscrição Civil do Amboim foi transformada em Conselho de 3ª Classe e a povoação da Gabela à categoria de Vila em 1962, pelo Decreto-Lei 3254, de 6 de Junho,a Vila da Gabela foi elevada a categoria de Cidade.

Antes da ocupação europeia, há registos de que os povos da região dedicavam-se ao comércio do marfim, da cera e da borracha, com as trocas se dando principalmente pelo escambo ou pelo sal.

Devido à resistência dos povos do interior do Cuanza Sul, os seles, a ocupação do planalto do Amboim só começou a concretizar-se no fim do século XIX, com os primeiros europeus a ocuparem o interior do município Amboim, em 1888, sendo os comerciantes Ernesto da Silva Melo e António José Dantas; outro importante comerciante português que veio para o planalto, em 1892, foi Semião Pinto, que iniciou as primeiras plantações de café.

Em 1922 eram já dignas de relevo as plantações da Companhia de Amboim, Marques Seixas & Companhia, Companhia do Cuanza Sul, além da Horta & Companhia. Também, tendo chegado a Angola em 1893, constituiu Bernardino Correia, em 1922, a Companhia Agrícola de Angola (C.A.D.A.), que foi o maior conjunto cafeeiro do território.